segunda-feira, 7 de agosto de 2017

Panorama sobre o negro no cinema e na TV no Brasil...

Será o tema de aula aberta na UESC.
Joel Zito Araújo
“Quais foram os diretores dos três últimos filmes que você viu no cinema? Provavelmente eram todos homens brancos.” Essa é uma das provocações feitas pelo  cineasta Joel Zito Araújo sobre o espaço, ou melhor, a falta de espaço que pessoas negras e mulheres têm no cinema. "Mulheres e negros são subgrupos menosprezados e não estimulados dentro de uma sociedade que é racista e machista", denuncia o cineasta.
Essas e outras questões serão aprofundadas na aula aberta com o tema “Panorama sobre o negro no cinema e na TV no Brasil: Desafios e Potencialidade” que o cineasta Joel Zito Araújo, vai ministrar na Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC).
A iniciativa é do Kàwé (Núcleo de Estudos Afro-Baianos Regionais), a partir das 9 horas, de quarta-feira (9), no auditório do 5º andar da Torre Administrativa José Haroldo Castro Vieira, no campus da UESC, no bairro Salobrinho, em Ilhéus.  
Joel Zito é cineasta, escritor, professor, diretor, produtor executivo e roteirista de filmes de ficção e documentários, programas de TV, vídeos educacionais e institucionais e diretor presidente da casa de criação cinema e propaganda.
O trabalho de Joel é reconhecido internacionalmente por sua capacidade de aliar os elementos cinematográficos às questões sociais. Com a sétima arte, leva para a tela reflexões sobre gênero, etnia, política e condição socioeconômica.
No modo de conduzir a narrativa está a sutileza do olhar que revela situações e sentimentos intrínsecos na sociedade ou até mesmo no próprio ser humano. Dentro desta temática é considerado um dos cineastas mais importantes do país.

segunda-feira, 31 de julho de 2017

As dez maiores economias do mundo

*Artigo de José Eustáquio Diniz Alves

“O Mediterrâneo é o oceano do passado.
O Atlântico é o oceano do presente,
e o Pacífico, o oceano do futuro”
John Hay, secretário de Estado dos EUA, em 1900







Entre as dez maiores economias do mundo, sete estão perdendo participação no PIB mundial e três estão ganhando participação, segundo dados do FMI, em poder de paridade de compra (ppp). Os Estados Unidos (EUA) são os maiores perdedores, pois representavam 21,8% da economia internacional em 1980, caíram para 15,3% em 2017 e devem ficar com 14,1% em 2022. Os EUA devem perder uma fatia de 7,7% do PIB mundial em 42 anos.

O Japão tinha uma participação no PIB global de 7,8%, em 1980 e subiu para 9% em 1991. Mas com a longa estagnação da economia japonesa, a participação do país caiu para 4,3% em 2017 e deve ficar em 3,7% em 2022. O Japão deve perder uma fatia de 4,1% do PIB mundial em 42 anos.

A Alemanha que tinha uma participação em 1980 de 6,6% deve ficar com apenas 2,9% em 2022, uma perda de 3,7% em 42 anos (o tamanho relativo da Alemanha será reduzido pela metade). A perda da Rússia deve ser de 2,4% em 30 anos, de 5,2% em 1992 para 2,8% em 2022. O Brasil que tinha uma participação no PIB mundial de 4,3% em 1980 deve cair para 2,3% em 2022. O Brasil, que já não era muito grande, deve diminuir em 2% sua participação na economia global. França e Reino Unido também estão encolhendo. Cada qual desses países era maior do que a China em 1980 e devem ser apenas uma fração do gigante asiático em 2022.

Das dez maiores economias, somente China, Índia e Indonésia ganharam espaço na economia internacional. A China é o grande destaque dos 42 anos em questão. Em 1980, a participação da China no PIB mundial era de somente 2,3%, ou seja, a China era menor do que o Brasil (que representava 4,3% do PIB mundial). Em 2017, a China já representava 18,3% e deve chegar a 20,4% do PIB mundial em 2022. A China elevou sua presença global em 18,1% em 42 anos e já é a maior economia do mundo (em ppp).

Outro país que deu um grande salto foi a Índia, que representava 2,9% do PIB global em 1980 e deve chegar a 9,2% em 2002, um aumento de 6,3% em 42 anos. Num ritmo um pouco menor, a Indonésia passou de 1,4% em 1980 para 2,6% em 2017 (já é maior do que o Brasil) e deve chegar a 2,8% em 2022, um aumento de 1,4% em 42 anos.

A tabela abaixo mostra o valor do PIB (em ppp) das dez maiores economias do mundo e o percentual de participação dessas economias na economia global, em 2017. O Brasil que tinha a pretensão de ser a quarta economia do mundo (passando Alemanha e Japão) perdeu posição para a Rússia e a Indonésia, encontrando-se na oitava posição.





A lista das maiores economias não é a mesma dos países com maior presença demográfica. Os países mais populosos do mundo, em 2017, são: China (1,4 bilhão de habitantes), Índia (1,34 bilhão), EUA (324 milhões), Indonésia (264 milhões), Brasil (209 milhões), Paquistão (197 milhões), Nigéria (191 milhões), Bangladesh (165 milhões), Rússia (144 milhões) e México (129 milhões.

Entre as 10 maiores economias, os três países que estão ganhando volume no PIB global são asiáticos e juntos (China, Índia e Indonésia) representam 40% da população mundial e já possuem um PIB equivalente ao do G7. Embora esses três países não sejam os protagonistas da reunião do G20, que ocorre em Hamburgo, na Alemanha, eles devem ganhar destaque nos próximos anos na medida em que o eixo da economia internacional se desloca para a Ásia.

Assim, o avanço destes países reforça o ocaso do processo de Ocidentalização (que teve início com as grandes navegações do século XV) e pode marcar a aurora do processo de Orientalização do mundo, retomando uma hegemonia que existia antes da Revolução Industrial e Energética. A região do sol poente, o Oeste, perde força global. A região do sol nascente, o Leste, ganha força na economia internacional, no século XXI.

*José Eustáquio Diniz Alves, é Doutor em demografia e professor titular do mestrado e doutorado em População, Território e Estatísticas Públicas da Escola Nacional de Ciências Estatísticas – ENCE/IBGE; Apresenta seus pontos de vista em caráter pessoal. E-mail: jed_alves@yahoo.com.br

Fonte : EcoDebate.

domingo, 30 de julho de 2017

IGUAÍ: AUTORIZADO INÍCIO DAS OBRAS DE RECUPERAÇÃO DA BA-262

Foto: Manu Dias- Com prefeitos e o deputado Rosemberg Pinto, Rui autoriza ínicio de obras de rodovia 
O governador Rui Costa assinou, neste sábado (29), em Iguaí, no médio sudoeste baiano, a ordem de serviço que autoriza o início das obras de recuperação da BA-262, no trecho entre o município e as cidades de Poções e Nova Canaã. “Chegamos aqui de carro e eu já autorizei o secretário da Infraestrutura, Marcus Cavalcanti, a reparar também a estrada no sentido contrário, para entregar a obra completa”, anunciou o governador sobre o trecho da BA-262 entre Iguaí e Ibicuí.


“É uma emoção grande estar aqui, em todo esse tempo da minha gestão, deve ter sido um dos momentos mais emocionantes pela receptividade e alegria da população aqui de Iguaí. Anunciamos quase R$28 milhões pra reconstruir 57km. Vamos refazer esse cálculo e planejar para que possamos entregar o outro trecho [Ibicuí-Iguaí] com asfalto novo, e eu vejo a importância disso pra toda a região e toda a população”, afirmou o governador.

Para o secretário de infraestrutura do Estado, Marcus Cavalcanti, a recuperação da rodovia é importante para a melhoria de trafegabilidade em toda a região. “Nós estamos reconstruindo totalmente o trecho entre Iguaí, passando por Nova Canaã até Poções. Vamos recuperar o trecho total pra garantir a trafegabilidade que a estrada precisa”, afirmou.

Serão recuperados 57,60 km de rodovia. O investimento é de mais de R$ 27 milhões “Só para as pessoas terem uma ideia, o faturamento anual de Iguaí é de aproximadamente R$50 milhões. Só essa rodovia custa quase R$28 milhões”, completou o governador, que também entregou duas ambulâncias, uma para Iguaí e a outra para Nova Canaã, e inaugurou a Academia de Saúde.

O secretário de Desenvolvimento Econômico, Jaques Wagner, ressaltou o esforço do governador para manter as contas da Bahia em dia e realizar obras em meio à crise. “Estamos tentando reforçar a economia do interior, trazendo empresas, porque não existe melhor política que gerar empregos”, afirmou o secretário.

Fonte: http://www.pimenta.blog.br

sábado, 29 de julho de 2017

SABORES DE ILHÉUS



Rua David Maia, 242 -(enfrente ao Aeroporto)

Chegou mais um empreendimento no ramo alimentício no Bairro Pontal. “ Sabores de Ilhéus”, restaurante popular que funciona enfrente ao aeroporto Jorge Amado . Se você vem ao aeroporto esperar alguém ou embarcar, a nova opção é os "Sabores de Ilhéus", com um preço de mercado justo. 


O objetivo é atender a comunidade aeroportuária do Jorge Amado, aos funcionários das empresas que ali funcionam , aos taxistas, as empresas de turismo e aos moradores do bairro. Tudo isso sob a orientação de Lana Brasil que pretende servir um bom café da manhã, almoço e lanches da tarde das 8:00 as 17:00 (domingo a domingo). 
"A principio teremos Wife aberto aos clientes, serviços de internet , recargas de celulares, Xerox. O nosso diferencial é resgatar a tradição de um bom café à base de cuscuz, ovos com pão, pão com manteiga, o misto quente, aipim cozido, tapioca e banana da terra".Disse Lana Brasil.

Bife


Taxistas do Aeroporto