terça-feira, 1 de dezembro de 2020

Paisagismo & Jardinagem - Plantas Medicinais

Nada como compor seu jardim e a paisagem com uma planta de belas flores, excelente escultura e acima de tudo medicinal.
Estamos falando da Vitex agnus-castus



Classificação científica: Vitex agnus-castus

Reino: Plantae

Divisão: Magnoliophyta

Classe: Magnoliopsida

Ordem: Lamiales

Família: Lamiaceae

Género: Vitex

Espécie: V. agnus-castus

Nome binomial : Vitex agnus-castus L.

Nome comum: Vitex, agno-casto, liamba, pimenteira silvestre, alecrim de angola, árvore da castidade,  castanheiro ou castanheiro, baga de Abraão, castanho de lilás ou pimenta de monge.


Origem: Vitex agnus-castus  é     conhecido como Vitex  fruto dos monges, é o fruto produzido por uma planta nativa do oeste da Ásia e do sudoeste da Europa, um arbusto originário da região Mediterrânica. Possui folhas digitadas, flores com corola bilabiada, cimeiras tricótomas e frutos drupáceos.

Variedade branca:
 Vitex agnus-castus  variedade Dale White é uma versão compacta, arredondada e branca do arbusto. Também adora o sol forte e atrai borboletas da mesma forma, mas a flor branca oferece um interesse mais sutil no jardim. Esta planta requer menos manutenção e poda devido à sua tendência natural para ser compacta e arredondada.



No paisagismo:

Ambos são ótimos acréscimos à borda perene, leito de fundação e jardim polinizador.

Benefícios:

Conheça as propriedades do Vitex Castus Agnus, além saber para que serve e quais são os benefícios comprovados cientificamente que essa planta oferece.
É utilizado amplamente na farmacopeia e medicina popular como chá, indicado no tratamento da tensão pré-menstrual (TPM), ansiedade, tensão nervosa e insónia. Como infusão para banhos, alivia os calores e suores típicos da menopausa. O Vitex  é uma planta comumente utilizada em forma de suplemento para tratar uma série de sintomas, desde distúrbios da tensão pré-menstrual, até problemas de acne, passando pelos sintomas da menopausa. No entanto, os benefícios são ainda mais extensos.

Por Ed Ferreira
Paisagista
Zap: (73) 98822-1126
ed.ferreira3@gmail.com




Olá...Nós somos da agência Waltour.
O nosso trabalho é ajudá-los a planejar e realizar suas viagens
seja de Turismo ou Negócios.
Fisicamente nos localizamos ao lado do Aeroporto Jorge Amado em Ilhéus e atendemos
pelo WhatsApp ( 73) 9 9134-6313
Fazemos: Receptivo, Traslados, Passeios, Hospedagem e Emissão de passagens


sábado, 28 de novembro de 2020

Paisagem &Jardinagem - Frutas

Planta que compõe a nossa flora nativa, abundante nas restingas, cerrados . Faz parte da memória afetiva de muita gente. Ideal para compor jardins  pelo fato de não possuir raízes agressivas, não ficar muito alta e duas vezes por ano produz frutos perfumados que atrai pássaros e podendo ser aproveitados para fazer uma excelente geleia.


Myrciaria cuspidata:  Cambuím ou Cabuí

Subarbustos ou arbustos  alcança  0,15-3,5 m altura.

NOMENCLATURA E SIGNIFICADO: 

Cambuím – vem do Tupi Guarani e significa “Frutinha que nasce no galho fino”. Também chamada de Cambuí amarelo, Cambuí de restinga.





 








Origem: Aparece com certa raridade na floresta semideciduas (que perdem as folhas) de altitude e na Mata atlântica; ocorrendo com maior frequência na floresta de restinga litorânea, desde o Ceará até o Rio Grande do Sul, Brasil. 

 

Características: 

Arvoreta densamente ramificada desde a base que atinge 2 a 4 metros de altura, com muitos ramos formando copa densa e globosa. O tronco é curto e liso com 5 a 25 cm de diâmetro, de casca descamante no sentido longitudinal, com cor palha esverdeada. A ponta dos ramos novos é amarelada após a brotação. As folhas são simples, opostas e glabras (sem pelos) com pecíolo ou haste de 3 a 5 mm de comprimento.

As flores são hermafroditas e nascem em grupos de 5 a 15.

Os frutos são bagas ovoides amarelas e translúcidas de 0,6 a 1,2 cm de diâmetro, com casca bastante fina e com arilo amarelado envolvendo de 1 a no máximo 2 sementes arredondadas de coloração creme.

 

Dicas para cultivo: 

Planta rústica e bastante adaptável e que resiste a baixas temperaturas (até – 6 graus), embora seja nativa de lugares onde o clima é tropical, a planta também aparece naturalmente em áreas mais frias. Pode ser cultivada com sucesso desde o nível do mar até 1,500 m de altitude. Na natureza o índice de chuvas ocorrente fica entre 900 a 2.500 mm anuais. Aprecia diversos tipos de solos como os vermelhos, arenosos e até argilosos, que sejam profundos, conservem razoável umidade e tenham pH neutro (ente 5,0 a 6,2). É preciso plantas no mínimo 2 plantas para uma melhor produção. Essa espécie pode ser cultivada em vasos grandes de 35 cm de boca e 40 ou 50 cm de altura. O substrato deve ser o mesmo indicado abaixo para produção de mudas. Começa a frutificar com 2 a 3 anos após o plantio.

 

Mudas: 

As sementes são recalcitrantes (perdem o poder germinativo em 10 dias se forem secas), medindo 3 a 4 mm de diâmetro. As sementes germinam em 40 a 60 dias, se plantadas em substrato feito de 40% de terra, 20% de areia e 40% de matéria orgânica. As sementes podem ser semeadas em jardineiras ou canteiros e depois quando estiverem com 10 cm de altura podem ser transplantadas para embalagens individuais que devem ser deixadas em local com sombreamento de 50% até soltarem brotos novos, depois podem ficar em pleno sol. As mudas atingem 25 cm com 8 a 10 meses após a germinação. A melhor época de plantio das mudas é nos meses de setembro a outubro. 

Plantando: 

Pode ser plantado a pleno sol como em plena sombra em bosques com arvores grandes bem espaçadas. Espaçamento 4 ou 5 m entre plantas. É bom fazer covas de 50 cm nas três dimensões e prepará-las com 2 meses de antecedência misturando aos 30 cm da terra inicial da cova 1 kg de calcário, 1 kg de cinzas e cerca de 6 a 7 pás de matéria orgânica. A melhor época de plantio é de setembro a novembro. Após o plantio irrigar a cada quinze dias nos primeiros 3 meses, depois somente se faltar água na época da florada. 

Cultivando: 

Fazer apenas podas de formação da copa e eliminar os galhos doentes ou aqueles que nascerem cruzados ou voltados para o interior da copa. Adubar a partir do segundo ano com composto orgânico, pode ser 3 a 4 pás de cama de frango bem curtido + 30 gr de N-P-K 10-10-10 dobrando essa quantia a cada ano até o 3ª ano, depois manter essa adubação. Essa espécie frutifica melhor se for irrigada na época da floração.

 Usos: 

Frutifica nos meses de novembro a dezembro. Os frutos apesar de pequenos podem ser consumidos in-natura e muito apreciados. Os frutos maduros podem ser despolpados sob uma peneira e a polpa utilizada para fazer sucos, sorvetes e geleias. Essa espécie está entre as melhores para atrair pássaros.

As flores são apícolas e a arvoreta é ornamental, podendo ser cultivada com sucesso na arborização urbana.

Por Ed Ferreira

Zap: (73) 98822-1126

ed.ferreira3@gmail.com



Olá...Nós somos da agência Waltour.
O nosso trabalho é ajudá-los a planejar e realizar suas viagens
seja de Turismo ou Negócios.
Fisicamente nos localizamos ao lado do Aeroporto Jorge Amado em Ilhéus e atendemos
pelo WhatsApp ( 73) 9 9134-6313
Fazemos: Receptivo, Traslados, Passeios, Hospedagem e Emissão de passagens


 

sexta-feira, 27 de novembro de 2020

Paisagismo & Jardinagem - Frutas

 
Eugenia brasiliensis: Grumixama exótica

A minha iniciativa de reintroduzir o cultivo de fruteiras nativas silvestres no paisagismo,  quintais, praças e jardins não se dá apenas pela conscientização de que um dia essas espécies vegetais poderiam desaparecer do planeta, mas também por algumas de suas características:  sejam nutricionais, organolépticas (aroma, sabor etc.), agronômicas ou até mesmo estéticas, que possam despertar algum interesse pelo seu cultivo.

 A grumixama, também conhecida como cereja do Brasil, a exemplo de muitas outras fruteiras silvestres, foi pouco estudada. O gênero botânico Eugenia, ao qual pertence a grumixama (Eugenia brasiliensis Lam.), da família das Myrtaceae, é representado por dezenas de espécies, grande parte nativas do Brasil. 

Grumixama exótica mas repleta de nutrientes para a saúde

Grumixama (Eugenia Brasiliensis) é uma planta tipicamente brasileira, encontrada em várias regiões do Brasil e conhecida popularmente por grumichaba, grumiçava, grumixameira e gurumichaba.

Conheça a Planta

A grumixameira é uma árvore de médio porte que varia de 6 a 15 metros de altura, prefere solo com variados nutrientes, sem encharcamento e é bem resistente à variação de temperatura. Produz flores brancas muito perfumadas e seu fruto remete ao tamanho de uma cereja, cuja polpa é suculenta, branca e com sabor levemente adocicado. A planta apresenta três variedades de frutos que são amarelo, vermelho-escuro e roxo. A frutificação acontece nos meses de outubro a dezembro.

Propriedades terapêuticas da Grumixama

Ela possui variadas propriedades terapêuticas tais como adstringente, revitalizadora, diurética, anti-inflamatória, aromática e energizante; além de alto teor de antioxidantes. O fruto possui consideráveis teores de vitaminas do complexo B e C.

Ela é usada na medicina popular para alívio de várias enfermidades e a tradição é passada de pai para filho.

Utilização da Grumixama

Os frutos maduros são consumidos in natura ou aproveitados para fazer sucos, doces, mousses, sorvetes, picolés e para o recheio de bolos e sorvetes.

As cascas são utilizadas em forma de chá, com mel; e possuem efeito expectorante aliviando tosses e bronquites. Alivia dores estomacais e sintomas da gripe e febre.

Seu consumo regular auxilia no fortalecimento do sistema imunológico e na saúde intestinal

A arvore é usada para finalidades ornamentais e para arborização urbana de praças e canteiros. Suas flores são melíferas e fazem parte de pomares de apicultores.

Onde encontrar a Grumixama

Ela é encontrada em pomares das casas de roça, em feiras livres, mercados municipais e em sites que comercializam sementes e mudas de planta.

As plantas medicinais não substituem o acompanhamento médico e em altas doses podem ser prejudiciais à saúde.



Caracteristicas

A grumixameira é uma pequena árvore de cerca de 8 m de altura, com folhas simples e opostas, obovadas ou elípticas, coriáceas e brilhosas na face superior, com flores brancas, axilares, reunidas em grupos de 4 ou 5. O fruto é uma baga globosa, amarela, vermelha ou roxo-escuro, contendo 1 ou 2 sementes. A polpa é sucosa e doce acidulada. É, provavelmente, originária do Nordeste (CAVALCANTE, 1989); para Silva (1996), a grumixameira é originária da Mata Atlântica e pode chegar a vinte metros de altura. 




Por Ed Ferreira - Paisagista
Zap: (73) 9 8822-1126
ed.ferreira3@gmail.com






Olá...Nós somos da agência Waltour.
O nosso trabalho é ajudá-los a planejar e realizar suas viagens
seja de Turismo ou Negócios.
Fisicamente nos localizamos ao lado do Aeroporto Jorge Amado em Ilhéus e atendemos
pelo WhatsApp ( 73) 9 9134-6313
Fazemos: Receptivo, Traslados, Passeios, Hospedagem e Emissão de passagens







quarta-feira, 25 de novembro de 2020

PAISAGISMO & JARDINAGEM - MUITO ALÉM DE UMA OBRA DE ARTE

Foto captada da internet

Quando recebo um convite para realizar qualquer trabalho na área do paisagismo ou Jardinagem, uma das primeiras atitudes é conversar bastante com o possível contratante.

Saber de sua história, origem, trajetórias de vida, experiências, etc. Por que isso! No meu ponto de vista o paisagismo é uma obra de arte que tem que ser construída a partir do despertar do sentimento do contratante, portanto deve ser “uma tela pintada com exclusividade”, se for para usar os modelos pré-existente é o mesmo que copiar uma réplica.

Não podemos deixar de considerar que o homem é um ser composto por camadas sentimentais e na medida em que vai amadurecendo suas memórias afetivas afloram com uma carga sentimental muito forte e isso se traduz em bem estar. Por essa razão, nós, profissionais do paisagismo, temos que tentar emplacar o máximo possível desses sentimentos nos projetos.

Os componentes vegetais usados no paisagismo envolve uma série de ações perceptivas que deve despertar no contratante o sentimento afetivo puxando pela memória através dos sentidos que pode ser pelo olfato (um cheiro característico de uma planta reporta a pessoa a uma lembrança agradável), o paladar (o sabor de uma fruta, uma espécie de chá e até mesmo uma erva da culinária), a audição e o tato (por meio de vento balançando os galhos ou tocando nas pedras, nas flores).

O importante é que de alguma forma o paisagismo só é importante se cumprir sua missão no despertar dos sentidos, mesmo que seja apenas o visual (cores e formas).

A concepção de uma composição Paisagística requer o emprego adequado dos elementos vegetais no ambiente. Por essa razão em uma área, principalmente a residencial deve ter um conjunto de plantas que atenda aos sentimentos.

As flores, as frutas, os condimentos e as cores devem compor o ambiente numa escala proporcional ao espaço. Objetivando atender a todos, procuro pesquisar as espécies que possam ser adequadas aos jardins e que possam atender a outras necessidades que não seja apenas à estética. As frutas, os aromáticos, os chás, etc.


Por Ed Ferreira
Paisagista
(73) 9 8822-1126
ed.ferreira3@gmail.com





Olá...Nós somos da agência Waltour.
O nosso trabalho é ajudá-los a planejar e realizar suas viagens
seja de Turismo ou Negócios.
Fisicamente nos localizamos ao lado do Aeroporto Jorge Amado em Ilhéus e atendemos
pelo WhatsApp ( 73) 9 9134-6313
Fazemos: Receptivo, Traslados, Passeios, Hospedagem e Emissão de passagens